segunda-feira, 22 de maio de 2017

silêncio em 12 estações

i.
há um truque qualquer, topei-o
sumido como se fosse na areia.

era de um sólido quase palpável
até invisível. creio que
por isso o encontrei


ii.
contei a mim próprio
todo o movimento eu tinha
para o mar

ondas a secarem-se nas rochas,
quase transparentes,
a espuma, branca, é a dos dias


iii.
há sempre alguém que se senta vazio
para descansar de nadas cansativos

se aturde pelo inesperado
que o invulgar tem: quase ilógico

e pela consciência de ser quase
(um) engano da sua própria existência

há sempre alguém que torpedeia as banalidades
e nos desflora até ao olhar

sorte! é tropeçar inadvertidamente na cegueira
e despertar


iv.
emociono-me
com o que sinto, não há palavras
para dizer


v.
silêncio no olhar
germina a ideia
peregrina
silenciosa


vi.
a assimetria das linhas no rosto revelava
minúsculos desentendimentos básicos entre as faces
cada uma com seu modo de ver


vii.
olhei
um rosto de silêncios estampados


viii.
invernia
diariamente
a noite chega
mais cedo
mais tarde parte
mais tempo fica
mais tempo dura


ix.
teu nome
um regaço em concha
aberto par-em-par
vista ampla para o mar

x.
às palavras
soletrei-as para desnudar
traços das parte íntimas
impronunciáveis
agora que as sonho
brindamo-nos na intimidade


xi.
tocou-me
uma longueza penetrante
chegada de uma lonjura impossível
o olhar fito de uma criança
trazia a ingenuidade sem lugar para vergonha


xii.
tens suspiros no olhar
acomodam coisas de acontecer
simples como teimosias
de aparência intermitente

transbordância

minha mãe
falta-me a alegria dos teus olhos
a essência da tua pele
esse sabor a colo
o conforto que me chega
quando dizes: − filho
o agrado que me faz
de dentro
do início
antes do orgulho de ser
quando a felicidade é só
sentido puro
e amar é!

quinta-feira, 18 de maio de 2017

édipo

minha mãe
falta-me a alegria dos teus olhos
a essência da tua pele
esse sabor a colo
o conforto que me chega
quando dizes: − filho
o agrado que me faz
de dentro
do início
antes do orgulho de ser
quando a felicidade é só
sentido puro
e amar é!

terça-feira, 16 de maio de 2017

pudesse eu ser olhar simples
de ficar na praça
borboleteando olhos
cruzando sóis
desenhando coloridos
na sombra do movimento

quarta-feira, 10 de maio de 2017

não escutei a forma que os pássaros libertam no voo
o gume do vento arrepiou-me a pele
o corpo virou-se do avesso, quis sentir de dentro
e nada aconteceu, nada, nada, nada
arrumar o dia num poema
corar as palavras ao sol
versos a enfunar
drapeio pensamento
trauteio leve do dia
palavra em bambo som e brando gesto
sonância do sentido

quinta-feira, 13 de abril de 2017

sobre o jardim que já não é
sopra a aridez as flores
desabotoam-se cinzas
no tom escurecendo
o breu longo do silêncio
dá sentido ao infecundo

sexta-feira, 17 de março de 2017

teu nome é
verbo em verso
aberto
seio em concha
par-em-par
explicar como se respira
uma inutilidade

comprar um colar vazio
uma inutilidade maior

explicar a inutilidade
uma heresia

querer um poema útil
uma heresia maior
a vida conjuga-se com viver
outros verbos conferem-lhe o tom
ora temporário, pouco definitivo
em tom de riacho
ameno
límpido
corrente
jorra o teu sorriso

ser azul

ser azul
tomar-se de várias cores, de azul
ser céu ou para lá rumar, em azul
estar inverso a inundar, de azul
e abarcar a terra, em azul
pintada da cor do mar, azul
e não caber, transbordar azul
de azul ser
tenho felicidades tuas, ainda
as cuidavas pela manhã, colhi-as
como quem as surripia, levei-as
no meu andar, passeio-as
voando na passada, trauteio
um tom de assobiar

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

eu corro em
teu sorriso simples e cheio como desenho de infância
colorido de recreio
eu pulo e rodopio
eu voo
eu me embalo
e permaneço