segunda-feira, 17 de julho de 2017

irremediavelmente

aguardo
na invisibilidade a minha vez
não ouso. por nada me insinuo. temo
que não gostes de mim.
sol e coragem rimam até nos dias sombrios

sexta-feira, 14 de julho de 2017

o luar agrada às estrelas
obra sua, cintilam quanto podem
sentem-se povos dos céus
desfilam pela noite erguendo a lua

quarta-feira, 12 de julho de 2017

suburbanidade

a pintura que doira na camisola
está-lhe nos olhos guardada
às pinceladas: uma após outra
como os olhares que bota sobre todas as coisas
tudo
é um nada aceso
enganando a escuridão
sou um saltimbanco
nomado-me
insatisfaço-me
procuro quem me ouça
quem me olhe sem me ver
desejo quem me responda
quem me like

santimbanco-me
pela falta do sossego
de ser de estar

cintilo no espelho da água
intolero a vertigem da profundidade
claustrofobia-me achar-me em mim

saltimbanca-me
minha ambição de cintilar-me

quarta-feira, 31 de maio de 2017

terça-feira, 30 de maio de 2017

josé

no dorso da senhora passeio
minha aventura enxergando
onde me extinguirei, em seu seio
pressinto frio corpóreo
roça-me cinza marmóreo
o que me consome é medo
se nela me quedo em sossego
e adormecer
e se acordar eu me nego

domingo, 28 de maio de 2017

para mim todos os poemas têm pássaros
que voam, só para haver esvoaçar em teus cabelos
que eu sei ser teu sorriso
e pudesse eu adormecer assim
um voo de pássaro
um sorriso amplo
um poema

segunda-feira, 22 de maio de 2017

silêncio em 12 estações

i.
há um truque qualquer, topei-o
sumido como se fosse na areia.

era de um sólido quase palpável
até invisível. creio que
por isso o encontrei


ii.
contei a mim próprio
todo o movimento eu tinha
para o mar

ondas a secarem-se nas rochas,
quase transparentes,
a espuma, branca, é a dos dias


iii.
há sempre alguém que se senta vazio
para descansar de nadas cansativos

se aturde pelo inesperado
que o invulgar tem: quase ilógico

e pela consciência de ser quase
(um) engano da sua própria existência

há sempre alguém que torpedeia as banalidades
e nos desflora até ao olhar

sorte! é tropeçar inadvertidamente na cegueira
e despertar


iv.
emociono-me
com o que sinto, não há palavras
para dizer


v.
silêncio no olhar
germina a ideia
peregrina
silenciosa


vi.
a assimetria das linhas no rosto revelava
minúsculos desentendimentos básicos entre as faces
cada uma com seu modo de ver


vii.
olhei
um rosto de silêncios estampados


viii.
invernia
diariamente
a noite chega
mais cedo
mais tarde parte
mais tempo fica
mais tempo dura


ix.
teu nome
um regaço em concha
aberto par-em-par
vista ampla para o mar

x.
às palavras
soletrei-as para desnudar
traços das parte íntimas
impronunciáveis
agora que as sonho
brindamo-nos na intimidade


xi.
tocou-me
uma longueza penetrante
chegada de uma lonjura impossível
o olhar fito de uma criança
trazia a ingenuidade sem lugar para vergonha


xii.
tens suspiros no olhar
acomodam coisas de acontecer
simples como teimosias
de aparência intermitente

transbordância

minha mãe
falta-me a alegria dos teus olhos
a essência da tua pele
esse sabor a colo
o conforto que me chega
quando dizes: − filho
o agrado que me faz
de dentro
do início
antes do orgulho de ser
quando a felicidade é só
sentido puro
e amar é!