segunda-feira, 20 de novembro de 2017

i
sobre  o casario estira-se a sombra
cobre o volume de cada coisa

há um modo embriagado de tomar o tempo,
aos tragos, sentindo-o no corpo

há o esvoaçar dos pássaros, libertador,
trespassa a sombra a golpes de asa e eleva-se

ao casario
em cujo ventre os dias habitam miudezas

ii
as cidades são de um respirar ofegante
correm pela pressa de chegar
geram o burburinho da partida que preenche e
apazigua os ruídos do próprio corpo
encobre a internalidade do dia, desodoriza
e o ar corre inodoro sensabor

impaciente, a cidade estende-se
devorando o tempo, imune aos esvoaços
e ao quebrantar da sombra
interpretando a criatura que a zelará

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

mãe, meu olhar sente-só
a saudade abunda no jardim
os lírios perguntam teu nome
as rosas desfolham-se
e teus passos não as acolhem
as pétalas vão no vento
errantes, sem destino
perdidas sem teu olhar

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

da tormenta à boa esperança

lançar o poema do avesso
ferrar o hálito da sede
fitar a pupila do vazio
dobrar o abismo da saudade
afundar na profundez do céu

terça-feira, 14 de novembro de 2017

o rio até à nascente
o alpendre sossega
as folhas esvoaçam
todos os outonos passam
aguardam um pouco e vão

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

há sítios onde estou, sempre
saboreando a permanência
dos ninhos nas palavras,
perpétuos, eu delirando
cada partícula, desfolhando-a
como um livro, orgulhoso
como se um poema me lesse

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

poder-se-ia colher a tarde e
como um fruto maduro, saboreá-la
suculenta doce carnuda cheia e
sobretudo...
sobretudo olhá-la de dentro
pulsar nela
ser o pulsar dela e dela ser
pertencer-lhe
como do jardim são os seres vivos e
os bancos, esses seres ondulantes
que tomam os olhares e acolhem
corpos em despojamento

poder-se-ia colher a tarde
sobretudo
enquanto a brisa a sobrevoa e
perpassa o corpo
hum.... morno de regaço que embala
amamenta e, colhendo-se,
sobretudo
não se consome

afinal é disso que se fazem as tardes
sentidos e corpo envolto em brisa
abraços que as tardes têm

domingo, 22 de outubro de 2017

o silêncio ensurdece quem dele abusa
é uma estirpe fastidiosa
de colher tédio

os regalos volatizam-se
soam a carrossel
suspendem-se na melhor volta
pelos olhos me incendeias
uma verdade forjada a fogo
indelével, a paixão
o sonho é
uma forma poética do desejo:
imiscui-se nas realidades e urde
o encantamento: o mesmo que
compõe cantos dos chilreios
escuta murmúrios nos marulhos
sorve frescura no gélido:
é ser inocência sem idade:
toma o pico de uma euforia sem tempo
alimenta a serenidade do entardecer

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

alguém terá a verdadeira noção de
quantos dias tem o ano?
meu dia, hoje, teve muitos dias
tantos que me esqueci de os contar
ou me perdi, perco-me sempre
na contabilidade dos dias
talvez porque sopro para o ar
na intenção de assobiar sopro as horas
voam como aviões de papel
longas e soltas, pousando aqui
e ali onde as cores chilreiam
desafiando a física do movimento
testando a química da emoção
e eu que não sei assobiar
que também não sei contar voos
esqueço-me
esqueço-me dos quantos vão
esqueço-me de mudar de dia
esqueço-me que não sei assobiar
e sopro
sopro e murmuro os dias todos de hoje
também os de amanhã, os de ontem, os de sempre
citá-os-ia como ladainha se
disso ocorresse necessidade
recordo-os como os vivo
indispensáveis, revigorantes como um banho
e imerso suponho-me onde as cores tagarelam
onde os pássaros doiram horas coloridas
que gracejam como aviões de papel felizes
alguém terá, realmente, a noção de quantos dias tem o ano?
e da insignificância dessa conta?
dessa impossibilidade insolente?

terça-feira, 5 de setembro de 2017

e sentava-me eu
nos limites do horizonte
fossem bordas
de um lago, de um rio 
de qualquer mar
com os pés mergulhados
em fresco molhado
súbito e refrescante
corpo acima, alma adentro
furacão
satisfação mãe de todos os sorrisos
de ser feliz

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

esta manhã a luz sofre
um breve torpor rotativo e
sobre si mesma pensa
melhor, se debruça cogitando
sobre o dia que pretende alcançar

acontece que as sombras se avolumam
e crescem tanto que
se fundem com o universo:
este tingido de cinza
não abrilhanta
não fulmina:
a luz agora baça e fria é triste

esta manhã a luz aprendeu
algo que encomendou ao poeta

a posição fetal é para os fetos
o caminhar
tropeça
nas imprecisões do tempo;
umas pedras soltas
que envelhecem
um pouco cada dia

segunda-feira, 17 de julho de 2017

irremediavelmente

aguardo
na invisibilidade a minha vez
não ouso. por nada me insinuo. temo
que não gostes de mim.
sol e coragem rimam até nos dias sombrios

sexta-feira, 14 de julho de 2017

o luar agrada às estrelas
obra sua, cintilam quanto podem
vivem como povos dos céus
desfilam pela noite erguendo a lua

quarta-feira, 12 de julho de 2017

suburbanidade

a pintura que doira na camisola
está-lhe nos olhos guardada
às pinceladas: uma após outra
como os olhares que bota sobre todas as coisas
tudo
é um nada aceso
enganando a escuridão
sou um saltimbanco
nomado-me
insatisfaço-me
procuro quem me ouça
quem me olhe sem me ver
desejo quem me responda
quem me like

santimbanco-me
pela falta do sossego
de ser de estar

cintilo no espelho da água
intolero a vertigem da profundidade
claustrofobia-me achar-me em mim

saltimbanca-me
minha ambição de cintilar-me

quarta-feira, 31 de maio de 2017

terça-feira, 30 de maio de 2017

josé

no dorso da senhora passeio
minha aventura enxergando
onde me extinguirei, em seu seio
pressinto frio corpóreo
roça-me cinza marmóreo
o que me consome é medo
se nela me quedo em sossego
e adormecer
e se acordar eu me nego

domingo, 28 de maio de 2017

para mim todos os poemas têm pássaros
que voam, só para haver esvoaçar em teus cabelos
que eu sei ser teu sorriso
e pudesse eu adormecer assim
um voo de pássaro
um sorriso amplo
um poema

segunda-feira, 22 de maio de 2017

silêncio em 12 estações

i.
há um truque qualquer, topei-o
sumido como se fosse na areia.

era de um sólido quase palpável
até invisível. creio que
por isso o encontrei


ii.
contei a mim próprio
todo o movimento eu tinha
para o mar

ondas a secarem-se nas rochas,
quase transparentes,
a espuma, branca, é a dos dias


iii.
há sempre alguém que se senta vazio
para descansar de nadas cansativos

se aturde pelo inesperado
que o invulgar tem: quase ilógico

e pela consciência de ser quase
(um) engano da sua própria existência

há sempre alguém que torpedeia as banalidades
e nos desflora até ao olhar

sorte! é tropeçar inadvertidamente na cegueira
e despertar


iv.
emociono-me
com o que sinto, não há palavras
para dizer


v.
silêncio no olhar
germina a ideia
peregrina
silenciosa


vi.
a assimetria das linhas no rosto revelava
minúsculos desentendimentos básicos entre as faces
cada uma com seu modo de ver


vii.
olhei
um rosto de silêncios estampados


viii.
invernia
diariamente
a noite chega
mais cedo
mais tarde parte
mais tempo fica
mais tempo dura


ix.
teu nome
um regaço em concha
aberto par-em-par
vista ampla para o mar

x.
às palavras
soletrei-as para desnudar
traços das parte íntimas
impronunciáveis
agora que as sonho
brindamo-nos na intimidade


xi.
tocou-me
uma longueza penetrante
chegada de uma lonjura impossível
o olhar fito de uma criança
trazia a ingenuidade sem lugar para vergonha


xii.
tens suspiros no olhar
acomodam coisas de acontecer
simples como teimosias
de aparência intermitente

transbordância

minha mãe
falta-me a alegria dos teus olhos
a essência da tua pele
esse sabor a colo
o conforto que me chega
quando dizes: − filho
o agrado que me faz
de dentro
do início
antes do orgulho de ser
quando a felicidade é só
sentido puro
e amar é!

quinta-feira, 18 de maio de 2017

édipo

minha mãe
falta-me a alegria dos teus olhos
a essência da tua pele
esse sabor a colo
o conforto que me chega
quando dizes: − filho
o agrado que me faz
de dentro
do início
antes do orgulho de ser
quando a felicidade é só
sentido puro
e amar é!

terça-feira, 16 de maio de 2017

pudesse eu ser olhar simples
de ficar na praça
borboleteando olhos
cruzando sóis
desenhando coloridos
na sombra do movimento

quarta-feira, 10 de maio de 2017

não escutei a forma que os pássaros libertam no voo
o gume do vento arrepiou-me a pele
o corpo virou-se do avesso, quis sentir de dentro
e nada aconteceu, nada, nada, nada
arrumar o dia num poema
corar as palavras ao sol
versos a enfunar
drapeio pensamento
trauteio leve do dia
palavra em bambo som e brando gesto
sonância do sentido

quinta-feira, 13 de abril de 2017

sobre o jardim que já não é
sopra a aridez as flores
desabotoam-se cinzas
no tom escurecendo
o breu longo do silêncio
dá sentido ao infecundo

sexta-feira, 17 de março de 2017

teu nome é
verbo em verso
aberto
seio em concha
par-em-par
explicar como se respira
uma inutilidade

comprar um colar vazio
uma inutilidade maior

explicar a inutilidade
uma heresia

querer um poema útil
uma heresia maior
a vida conjuga-se com viver
outros verbos conferem-lhe o tom
ora temporário, pouco definitivo
em tom de riacho
ameno
límpido
corrente
jorra o teu sorriso

ser azul

ser azul
tomar-se de várias cores, de azul
ser céu ou para lá rumar, em azul
estar inverso a inundar, de azul
e abarcar a terra, em azul
pintada da cor do mar, azul
e não caber, transbordar azul
de azul ser
tenho felicidades tuas, ainda
as cuidavas pela manhã, colhi-as
como quem as surripia, levei-as
no meu andar, passeio-as
voando na passada, trauteio
um tom de assobiar

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

eu corro em
teu sorriso simples e cheio como desenho de infância
colorido de recreio
eu pulo e rodopio
eu voo
eu me embalo
e permaneço

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

é dezembro, porém
as manhãs despertam maio
é em março que se inicia a primavera
corre um fresco que se fará doce ao florir
o vigor de junho alaga o corpo de alma
em setembro vindimam-se carinhos
e a pequena ave desponta do nobre ninho
em dezembro também
se o verbo parasse
e o movimento não fosse
de dentro da palavra
sucumbiria

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

pós-humanidade

houve tempo, os homens eram de pau
aparência seca, acastanhada, aqui
e ali uma greta na madeira fendida

flutuavam na água e no vento
sentiam-se primos das árvores
com ligação pueril à fauna
no peito suspiravam pelo pulsar universal

uns existiam no tempo do sol e das intempéries
outros especializavam-se, espantar as aves, por exemplo
alguns tomavam a vontade superior como sua,
diariamente, usavam cordões
e se moviam pela habilidade de mãos do criador

todos, mas todos mesmo, temiam o fogo que arde e queima
curtiam na boca o sabor a lenha
e adormeciam ao som do crepitar do inferno

hoje, nos tempos de hoje, os homens são
...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

do fundo
além da crosta no furo e na fenda
limita o saco além da boca
rompe no peito o sentimento
tão forte e profundo como o pensamento
profundo profundo profundo
base suporte e balanço do mundo